domingo, 3 de maio de 2009

Release é um problema ou uma ajuda para uma banda?


Então... sejam bem vindos (sem hífen) ao meu blog... postarei aqui tudo que achar interessante, autoral ou não.

Segue agora uma matéria que encontrei no si
te da "Feira de Música", para o qual já mandamos o material do SOFIA para análise. Bacana o texto, atenção moçada!


Recebemos 570 inscrições para a Feira da Música 2009. Um número recorde de inscritos com a exigência mínima de preenchimento de uma ficha com informações básicas, um CD com três faixas, mapa de palco e um release da banda/projeto. Estamos em processo de seleção desse material inteiro lendo os releases e ouvindo os CDs. Temos encontrado muitos releases que depõem contra o trabalho das bandas. Recebemos material com fotos dos artistas muito antigas, escritos a mão, cartas com histórias de vida, além de textos muito mal elaborados e com graves erros ortográficos. Além disso, as pessoas que elaboram os releases não têm idéia de como fazer esse trabalho tecnicamente. Para se ter uma idéia do que recebemos selecionamos algumas frases que ilustram os tipos de texto que caracterizam bem dezenas dos releases que recebemos. Esses são exemplos de como não fazer releases. Listamos algumas das estratégias e estilos mais comuns utilizados nos releases das bandas.

O que não sabe qual é seu estilo:
“O estilo das canções é visivelmente o rock, influenciado pelo jazz e pelo blues, mas há uma forte tendência à música erudita (em algumas composições instrumentais).” 

O apoteótico modesto:
“A banda anunciará a chegada de um novo som para o rock brasileiro, com a humildade dos grandes e a esperança dos vencedores.”

O era uma vez:
“Tudo começou quando um grupo de amigos se reuniram para ensaiar e decidiram criar uma banda.”

O cru e sincero (artifício muito comum):
“A banda adota como principal objetivo passar com sinceridade e simplicidade o som cru e fiel de sua músicas, que falam de amor, lúdico, protesto e do nosso cotidiano.”

O compromissado e sincero:
“Temos o compromisso de mostrar que nosso som não se resume em apenas guitarras distorcidas e gritos ofegantes, se trata de tons fortes e uma pegada marcada pela sinceridade de seus integrantes.”

O holístico:
“Música não é só um Don é uma filosofia de vida.”

O descobridor do mundo:
“O desejo de juntar o talento com a atitude é que nos fez voar pelo universo de novas descobertas.”

O que faz sucesso para si mesmo (ou para a família):
“O sucesso foi tão grande que não parou mais de cantar”

Queremos alertar que nem só de sinceridade pode viver uma banda. Nossa observação sobre como não fazer um release vale para todas as bandas que pretendem se profissionalizar. Um release bem escrito e uma música bem executada abrem portas, assim como um release mal feito fecha portas muito rapidamente. É fundamental que a banda saiba como fazer seu projeto de comunicação, saiba como se apresentar e saiba para que público está falando.

Durante a Feira da Música teremos um curso sobre como montar estratégias comunicação para bandas. Estamos estudando a possibilidade de disponibilizar no site da Feira informações sobre como fazer releases. Essa deve ser uma preocupação de quem quer fazer carreira na música. 


I hope you liked... see you! 

Um comentário: